Páginas

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

O jurado! #100

Bom, eu chego aqui e anuncio o post #100. Centésimo gente *-* o jurado! Que feliz! Vou comemorá-lo com um texto que eu escrevi agorinha, tive a ideia do texto vindo pra casa (do inglês) tudo a ver né? Bem, eu gostei dele, era pra ser uma história, é uma história, mas sem começo meio e fim, serve? kspoaksopaks se você for refletir, é uma boa história, uma existencia resumida em um momento, quando estiverem lendo, imaginem a vida deste homem, o trabalho, a família, e quem será essa menina/mulher que sentiu e viu a sua dor? Quem será esse homem? Imaginem, vocês vão perceber que uma história não precisa ser narrada para ser contada. Espero que gostem! Prometo que depois conto quem era esse homem e essa menina, são ficticios ok kspoaks


Os outros sentem por você
Não posso dizer que a vida nos coloca nos lugares exatos e nas horas certas, a vida é toda enigmática, toda cheia de incertezas.
Sem dúvida a vida é algo digno de reflexão. Algo que devemos pensar com calma, sem precipitações, na verdade, creio que a vida não possa ser explicada, não se podem usar palavras neste caso.
Ele estava no lugar errado, na hora errada, foi a vida que o colocou lá? Eu não sei.
É estranho pensar que você pode estar com tudo planejado, um amanhã todo construído, sonhos, desejos, anseios, e dores a sofrer, e em um segundo tudo isso acaba, como um flash, você acaba nem sentindo. Os outros sentem por você.
Lá estava ele, no lugar errado, na hora errada. Esperando por um futuro que não aconteceria. Ele caiu diante de mim, pude notar em seu olhar a dor da desesperança.
A honra estava com ele, todos os anos de trabalho, de luta, estava tudo intacto, mas seus olhos estavam tristes, era como se ele soubesse que depois daquilo nada mais viria.
Eu senti a sua dor, senti o impacto do tiro, era como se eu estivesse sangrando por ele. O homem estava lá, diante da morte, sem nenhum medo, sem gritos, sem nada. Só a morte.
Ali, diante dos meus pés, estava acabada uma vida e eu lá, parada, petrificada, não me recordo de como voltei a mim, não me recordo do que veio depois, só havia a dor.
Os outros sentem por você.
Ele não parecia sentir nada além do fim, mas eu sentia uma dor cortante, sentia as lágrimas quentes em minha face. A luz antes nos olhos dele havia se apagado.
A vida é algo estranho, algo que se deve refletir, ela pode te colocar nos lugares certos, nas horas certas, e também o contrário, a dor pode vir com a cura, ou não.
E quando tudo acaba, quando não te resta mais nada além de lembranças e memórias, os outros sofrem por você, eles choram, e lamentam, mas a volta está tão distante que não satisfeita a vida tira isso de você.
No caso de não haver caminho de volta, defina o seu próprio de ida.


Camilla de Oliveira

Um comentário:

laune disse...

volteeei, saudaaaade tua tchê! A gente tem que fazer o TDB denovo, pq eu sumi e não deu pra fazer aqueeeele. Teu blog ta LINDO com esse novo lay, ele é leve e lindo! :****